Da busca e da vastidão do ser

É na ondulação do mistério a razão da nossa eterna busca pelo sentido da existência

O que há de vir?

De onde vim?

Por que estou aqui?

São sentidos sem limites, sem direção como flechas de permanentes questionamentos,

É a busca do sim e do não,

Dos ponteiros do nosso tempo,

Do tempo que vivemos aqui.

E de onde partimos?

Do nosso nascimento material?

Qual o início?

No começo ou no fim dos ciclos!

Ciclos muitos expostos ou ocultos da nossa justa ou larga imensidão?

Foto e texto: Yve de Oliveira

 

 

Anúncios